-

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Dois anos sem Leilane

O filme que eu recomendei ontem - Busca Implacável (link) - foi-me presenteado por uma grande amiga. A Globo exibiu-o ontem, e hoje é o aniversário de dois anos de seu passamento... olha que coincidência. Apresento aqui, a homenagem a essa amiga que fiz há um ano, já com algumas adaptações ao momento.


---------------

Há 15 anos, por intermédio de um amigo comum no trabalho, conheci Arnaldo, um bom sujeito, que depois aprendi ser nascido no mesmo 4 de janeiro que eu, taí uma boa razão pra ele ser um bom sujeito (HeHeHe). Outras razões, gosta (e entende) de cinema e futebol, apesar de não ter lá muito bom gosto na escolha do time. E tem uma família linda. Entre altos e baixos no nosso relacionamento (alguns desentendimentos desnecessários) e na saúde (o coração dele quase pregou-lhe uma peça), temos uma amizade firme.

Ao longo desse tempo, eram inúmeras as vezes em que ele mencionava uma amiga, que sempre comentava sobre cinema. "Almocei com a Leila...", "Recebi um email da Leila ...", "A Leila me telefonou pra comentar ...", enfim, era Leila pra lá, Leila pra cá, até que, em 2006, ele nos colocou em contato por email, e aí eu descobri tratar-se de uma Leilane.

Começamos um relacionamento virtual triplo, via email, que rendeu bons momentos, boas gargahadas, ricos comentários e, claro, profícuas listas de melhores filmes de todos os tempos, e atores, atrizes, diretores, e também por gênero, comédia, drama, ficção, aventura, enfim.

Num belo dia, Arnaldo resolveu que era hora de promover um almoço triplo, de forma a podermos conversar ao vivo sobre os mesmos assuntos e outros. Esses almoços se repetiram, à razão de dois ou três por ano. E aí conheci, além de seu lado cinéfilo, seu lado filantrópico, pois trabalhava como voluntária no INCA, desenvolvendo um belo trabalho, com o qual pude contribuir.

Estava na agenda dela, para algum dia de junho de 2010, mais um memorável almoço com a gente, entretanto, neste almoço ela não compareceria. O coração lhe pregara uma peça, esta definitiva, e tirou Leilane de nosso convívio, aos 50 anos de idade, em 31 de maio.

Até aquela data, eu contabilizei, entre recebidas e enviadas, em torno de 600 mensagens 'de' e 'para' Leilane, sendo, claro, o cinema, assunto primordial.

Desde então, tem sido meio sem graça a vida cinéfila sem ela.

Num belo dia de janeiro de 2011, por exemplo, na reunião com meu chefe, rolava um papo sobre o filme 'A Rede Social', pois ele achava que era um bom exemplo a aplicar-se ao trabalho, a visão do 'Modelo de Negócio', a guinada, o novo, o audacioso, enfim, só ele mesmo pra enxergar uma correlação de um filme de Hollywood com o nosso trabalho. Enfim, o fato é que em um dado momento ele mencionou: "E ganhou o Globo de Ouro!"

Na minha cabeça desencadeou-se então uma série de lembranças.
... como assim, o Globo de Ouro já foi? 
... e eu nem soube  ...
... ah, se Leilane estivesse aqui, eu e o Arnaldo já teríamos sabido de tudo, dos candidatos a Melhor Comédia/Musical ou Drama, atores e atrizes, melhores séries de TV, já teríamos discutido as perspectivas em inúmeros emails, e claro, já teríamos sabido que no domingo, haveria a festa e ...


... àquela altura da reunião, eu e Arnaldo já teríamos recebido um email com comentários, protestos ou celebrações, indignações e expectativas de ver os filmes que ainda não vimos, e, principalmente, já marcaríamos o próximo almoço em que versaríamos sobre tudo aquilo, enfim, que falta ela faz...

E ainda veio o Oscar, ponto máximo de dedicação cinéfila de Leilane.

Ela não conheceu minha fase blogueira. Aliás, ela foi uma das grandes incentivadoras a que eu tomasse essa iniciativa. E era um comentário certo que eu teria em meus posts sobre o assunto, que já tem mais de 100 entradas. Como ela já fazia em minha fase email.

Mas é isso!

Hoje, completam-se dois anos de sua partida, e 'celebraremos'  sua memória, e muitos de seus muitos amigos, com missa e chopp. Ao último não comparecerei devido a estar em tratamento...



A foto abaixo foi-nos presenteada em um dos encontros que tivemos nestes 24 meses, por seu marido José, um cara super-legal, que eu somente conheci no enterro. Mas não ele a mim, ele fez questão de dizer, já que Leilane sempre comentava com ele das conversas que ela tinha comigo e com Arnaldo. Ali, ele nos disse também que sabia do nosso próximo almoço, onde e quando, pois havia visto na agenda dela, algumas horas antes...


Eu e Arnaldo estivemos lá na hora e local marcado para lembrarmo-nos dela, com a cadeira vazia ....



Salve Leilane!

9 comentários:

  1. Òtimo Homerix... recordar é realmente viver... bom termos bons amigos, realmente amigos, que tem algo em comum com a gente, em determinado assunto, com que podemos trocar idéias, realmente numa sincera troca, em passo as minhas e fico com as suas, ou enriquecemos as nossas conjuntamente juntos... É a tal tal da empatia, definida, não sei aonde lí.. que é a "relação harmônica entre duas pessoas"... gostei, fixei e marquei em minha memória .É lindo esta sintonia que tiveram com Leilane, e o que é muito importante, os respectivos conjugues, possivelmente não se sentiram preterido, muito menos teaseados pelo "ciúmes"....
    Paulus adorou esta locução.

    ResponderExcluir
  2. Homerix, muito legal a sua homenagem à Leilane! Depois comentamos mais!!! Minha sugestão: repetirmos o gesto no mesmo local no dia 8 de junho, como me parece era o dia combinado em 2010. Abração, AC

    ResponderExcluir
  3. Dizem que a saudade ameniza com o tempo, não comungo muito dessa opinião. No caso Leilane era realmente unica. Na minha vida ela tem inumeras participações, todas de uma maneira bastante leve e discreta, sem cobranças ou sobressaltos.Nosso relacionamento nos ultimos anos atingiu a plenitude, não era necessario nem nos vermos para sabermos que estariamos ligadas pra sempre. Acho que é por isso que continuo em um eterno e longo papo com minha querida e gde amiga Leilane.

    Eramos cumplices desde muito pequenas. Homero, temos uma gde amiga em comum, isso e um bom começo para varios e varios papos e rememorações. Liesel

    ResponderExcluir
  4. Antes de mais nada, não tenho palavras para lhe agradecer pela bela homenagem prestada à Leilane! Fiquei muito emocionado e sensibilizado ao ler sua história com ela. Não deu para segurar a choro!

    Este último ano foi o mais difícil que vivi, pois fiquei sem ela depois de quase trinta anos juntos. Mas é muito bom saber que ela teve e nós ainda temos verdadeiros amigos como você.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  5. Luciano Marques Ribeiro5 de junho de 2011 12:20

    Homero
    Linda e emocionante homenagem a Leilane.
    LMR

    ResponderExcluir
  6. Me emocionei ao ler o blog. Tanto que não pude deixar de registrar isto.

    Kazuo

    ResponderExcluir
  7. Mariângela Góes HOMERIX! CADEIRA VAZIA, SERÁ? SUA AMIGA É DAQUELAS QUE QDO OLHAMOS NOS APAIXONAMOS, COMO SE FOSSE UM REENCONTRO DE ALMAS. LEILANE É DAQUELAS PESSOAS, QUE AO OLHARMOS, TEMOS A NÍTICA IMPRESSÃO QUE JÁ NOS CONHECEMOS E PERGUNTAMOS TB SORRINDO,COM RECIPROCIDADE. NÓS JÁ NOS CONHECEMOS? PARECE QUE SIM! rs.

    ResponderExcluir
  8. Homero, como eu já havia comentado ano passado, realmente linda homenagem, que não custa nada repetir...O retrato dela continua me olhando todos os dias, o que pode até me dar saudade e tristeza em alguns momentos (como no último dia 31), mas, decerto também me dá MUITA FORÇA! Pena não termos podido almoçar na 5a.f nem termos ido à missa pelos dois anos de sua despedida de nós...Mas mesmo assim, continuamos a celebrá-la a cada dia...Depois comento o MIB 3 (ela adorava o WS, o "J" - quem não adora, né ?! e também o "K") e também agora o "O"...Com certeza, iríamos ter muito a comentar sobre o filme. Que saudade !!! Abçs, Arnaldo

    ResponderExcluir
  9. Ah, by the way: não lembro se repetitivo, mas obrigado pelo "bom sujeito" - espero que seja um elogio sincero, apesar do trecho seguinte: "...taí uma boa razão pra ele ser um bom sujeito (HeHeHe)..." rs rs rs - só pra descontrair, diante de uma falta tão grande que ela nos faz...Saudações Vascaínas (aliás o time dela também)- Arnaldo

    ResponderExcluir